CULTNE - ACERVO DIGITAL DE CULTURA NEGRA

O MAIOR ACERVO DIGITAL DE CULTURA NEGRA DO PAÍS.

CULTNE - O maior acervo digital de cultura negra, no nosso canal do Youtube. Inscreva-se no canal!

YOUTUBE VÍDEOS



ASSISTA NOSSOS PROJETOS

CULTNE TV

Programa televisivo sobre a cultura negra voltado para a televisão nacional e internacional.

CULTNE DOC

Documentário com fórum de debates e reflexões, utilizando a interatividade e retrospectiva de vídeos do acervo.

CULTNE CINEMA

Ensaios cinematográficos, debates e reflexões reafirmando e fortalecendo a memória sobre a história do negro no Brasil.

A CULTNE

Cultura Negra 100% Digital

Em 2009, lançamos o site do CULTNE - Acervo da Cultura Negra, trazendo um valioso acervo registrado ao longo de mais de 35 anos. Hoje, em 2017 damos mais um passo modernizando esse acervo maravilhoso do universo afro imaginário. O maior acervo digital de cultura negra do país, disponibiliza o seu conteúdo para ser utilizado livremente em edições jornalísticas, projetos estudantis ou em qualquer atividade sem fins lucrativos, desde que citada a fonte.

CULTNE NA TV - Programa para TV que utiliza a riqueza do acervo CULTNE além de novos conteúdos reunindo um mix de leveza e informação sobre cultura negra voltado para televisão nacional e internacional.

CULTNE DOC - Fórum de debates e reflexões a partir de um canal específico que utilizará a interatividade e retrospectiva de vídeos do acervo visando um seleto público voltado para a pesquisa e conhecimento. Temas como Religião, Mulher Negra, Entidades do Movimento Negro, Juventude, Violência Policial, Juventude Negra, Mídia Negra, entre outros serão exibidos e debatidos neste espaço de reflexão e conhecimento a ser criado em breve nas redes sociais.

CULTNE CINEMA - Fórum de debates e reflexões e ensaios cinematográficos a partir de conteúdo audiovisual.

A história do negro no Brasil foi marcada por grandes acontecimentos, lutas e resistências, mas a memória do país sempre foi curta e seletiva. Apesar do oficial e justo reconhecimento de Zumbi dos Palmares, muitos dos grandes artistas e líderes continuam ignorados e a história ainda privilegia a folclorização da cultura afro-brasileira.

No mundo, movimentos como os de libertação dos povos africanos nas décadas de 70 e 80, de Martin Luther King e os Panteras Negras nos EUA e da longa luta contra o apartheid na África do Sul - o que levou Nelson Mandela a dimensão de líder mundial - tiveram forte repercussão. Por aqui, surgiram importantes ações nas décadas de 40 e 50, tais como a Frente Negra Brasileira e o Teatro Experimental do Negro, de Abdias de Nascimento. Na década de 70, pensadores como a socióloga Lélia Gonzales e a antropóloga Beatriz Nascimento modernizaram o pensamento afro-brasileiro. Nesta época, nasceu o MNU (Movimento Negro Unificado), o IPCN (Instituto de Pesquisa das Culturas Negras), os Filhos de Gandhi, o Renascença Clube no Andaraí, o Jongo da Serrinha e a escola de samba Quilombo, de Mestre Candeia. Apareceram também os blocos afros de Salvador: Ilê Aiyê, Malê Debalê, Araketu e Olodum, seguidos no Rio de Janeiro pelos blocos: Axé Terê Baba, Agbara Dudu, Dudu Odara, Filhos de Dã, Lemi Ayô, Orunmilá, etc. Naquela época a estética black era o eco visual da política de libertação, dos cabelos à roupa, na música e maneiras de dançar, do James Brown ao Charme, do Soul ao Afoxé.

Já no início da década de 80, apareceram produtores atentos à toda esta movimentação e capacitados para registrar essa efervescência: Ras Adauto e Vik Birkbeck fundaram a Enúgbarijo Comunicações, que levou o nome do exu mensageiro, a Boca Coletiva. Filó Filho e Carlos Alberto Medeiros fundaram a Cor da Pele Produções, além do conceito Griot, via Quilombo Eletrônico. Com o advento das primeiras câmeras de vídeo portáteis e independentes, percorreram toda cidade do Rio de Janeiro, onde eram facilmente avistados pelas ruas, morros, avenidas, salões, além de passarem pelo Clube Palmares de Volta Redonda e filmarem os agitos nas cidades de Juiz de Fora, Belo Horizonte, Salvador e São Paulo. O resultado é um gigantesco acervo de material em vídeo.

Hoje, com a revolução digital surge a oportunidade de disponibilizar todo este registro ao grande público, contribuindo de maneira efetiva para a interatividade com as gerações atuais e vindouras, sintetizando uma parte da história brasileira, que até pouco tempo era escamoteada ou ignorada por grande parte da sociedade brasileira. Atualmente, é possível gravar a história, editar rapidamente o conteúdo, jogar na rede e propagar a mensagem para todos. Como dizia o Ministro das Comunicações dos Panteras Negras: "A informação é disseminadora".

Pois bem, estamos na era da disseminação de conteúdos digitalizados, esse projeto está em sintonia com seu tempo. Agora, um rico universo de formas está disponibilizado via internet, ao alcance de apenas alguns cliques, disponível para estudos, pesquisas, jornalismo, releituras e remontagens.

Além dos arquivos históricos, o site do CULTNE hospeda novas e incessantes produções em vídeo da cultura negra brasileira. Se você possui algum material sobre o tema, em formato digital ou analógico, acesse o site, cadastre-se e ajude a aumentar o nosso acervo. Vamos contribuir para que nada mais se perca ou seja esquecido na história. Na herança africana brasileira, passado, presente e futuro são os elos que nos ligam. Esperamos que todos desfrutem desse conteúdo, interajam com o site e que a cultura brasileira saia ganhando.

Info

  •   +55 21 99941 9351
  •   Andaraí, Rio de Janeiro, RJ

PARCEIROS

 

CONTATE-NOS

Entre em contato conosco, será um prazer em atendê-los!