Refletindo os 125 Anos da Abolição da Escravatura a partir do Acervo Cultne

Na época em que os portugueses começaram a colonização do Brasil, não existia mão-de-obra para a realização de trabalhos manuais. Diante disso, eles procuraram usar o trabalho dos índios nas lavouras; entretanto, esta escravidão não pôde ser levada adiante, pois os religiosos se colocaram em defesa dos índios condenando sua escravidão. Assim, os portugueses passaram a fazer o mesmo que os demais europeus daquela época. Eles foram à busca de negros na África para submetê-los ao trabalho escravo em sua colônia. Deu-se, assim, a entrada dos escravos no Brasil.

Processo de abolição da escravatura no Brasil

Os negros, trazidos do continente Africano, eram transportados dentro dos porões dos navios negreiros. Devido as péssimas condições deste meio de transporte, muitos deles morriam durante a viagem. Após o desembarque eles eram comprados por fazendeiros e senhores de engenho, que os tratavam de forma cruel e desumana.

Apesar desta prática ser considerada “normal” do ponto de vista da maioria, havia aqueles que eram contra este tipo de abuso. Estes eram os abolicionistas (grupo formado por literatos, religiosos, políticos e pessoas do povo); contudo, esta prática permaneceu por quase 300 anos. O principal fator que manteve a escravidão por um longo período foi o econômico. A economia do país contava somente com o trabalho escravo para realizar as tarefas da roça e outras tão pesados quanto estas. As providências para a libertação dos escravos deveriam ser tomadas lentamente.

A partir de 1870, a região Sul do Brasil passou a empregar assalariados brasileiros e imigrantes estrangeiros; no Norte, as usinas substituíram os primitivos engenhos, fato que permitiu a utilização de um número menor de escravos. Já nas principais cidades, era grande o desejo do surgimento de indústrias.Visando não causar prejuízo aos proprietários, o governo, pressionado pela Inglaterra, foi alcançando seus objetivos aos poucos. O primeiro passo foi dado em 1850, com a extinção do tráfico negreiro. Vinte anos mais tarde, foi declarada a Lei do Ventre-Livre (de 28 de setembro de 1871). Esta lei tornava livre os filhos de escravos que nascessem a partir de sua promulgação.

Em 1885, foi aprovada a lei Saraiva-Cotegipe ou dos Sexagenários que beneficiava os negros de mais de 65 anos. Foi em 13 de maio de 1888, através da Lei Áurea, que liberdade total finalmente foi alcançada pelos negros no Brasil. Esta lei, assinada pela Princesa Isabel, abolia de vez a escravidão no Brasil.

A vida dos negros brasileiros após a abolição

Após a abolição, a vida dos negros brasileiros continuou muito difícil. O estado brasileiro não se preocupou em oferecer condições para que os ex-escravos pudessem ser integrados no mercado de trabalho formal e assalariado. Muitos setores da elite brasileira continuaram com o preconceito. Prova disso, foi a preferência pela mão-de-obra europeia, que aumentou muito no Brasil após a abolição. Portanto, a maioria dos negros encontrou grandes dificuldades para conseguir empregos e manter uma vida com o mínimo de condições necessárias (moradia e educação principalmente). (fonte:suapesquisa.com)

A presença negra no Acervo Cultne
A pesquisa acima retrata o que ocorreu no processo abolicionista, ressaltando o prejuízo para os escravos libertos que não obtiveram nenhum apoio para sua vida pós-abolição. Daí o Movimento Negro brasileiro não comemorar o 13 de maio e não reverenciar a Princesa Isabel como sua redentora. O acervo Cultne apresenta alguns videos para que todos possam refletir sobre as desigualdades sofridas pela raça negra brasileira a partir dos anos 80, quando foram registrados os primeiros vídeos deste acervo. A Lei Áurea extingue oficialmente a escravidão no Brasil. Mas a data é considerada pelo Movimento Negro como uma “mentira cívica”, sendo caracterizada como Dia de Reflexão e Luta contra a Discriminação (1888)

Acesse abaixo os videos relacionados

Marcha de 1988 – Refletindo 125 da Abolição
Militantes do Movimento Negro refletem a Consciência Racial em 1986
Tenho coragem de andar igual a Lampião
Refletindo os 125 da Abolição – Elisa Larkin
Filhos de Zumbi na FUNABEM – 1986
Marcha Negra 1988 – Dia da Consciência Negra
Dona Mulata e Triunfo
Raça, o filme de Joel Zito
Tributo a Zózimo Bulbul
Abdias do Nascimento
Polêmica Monteiro Lobato – Prof. Ana Gomes
III Encontro Feminista Latino Americano e Caribe 
I Encontro Nacional de Mulheres Negras – Pt 1
I Encontro Nacional de Mulheres Negras – Pt 2
I Encontro Nacional de Mulheres Negras – Pt 3
I Encontro Nacional de Mulheres Negras – Pt 4
I Encontro Nacional de Mulheres Negras – Pt 5
Encontro de Mulheres Negras – Pt1
Encontro de Mulheres Negras – Pt2
Encontro de Mulheres Negras – Pt3
Mulheres na Rua – Pt 1
Mulheres na Rua – Pt 2
Meninas não entram – A polêmica
I Encontro Nacional de Saúde da Mulher Pt 1

About the author: Assessoria Cultne